segunda-feira, 14 de julho de 2008

Campanha portuguesa incentiva teste de HIV

Portugal está veiculando dois novos filmes produzidos pela Monomito Argumentistas para o Alto Comissariado da Saúde de Portugal, o equivalente ao nosso Ministério da Saúde. Os filmes fazem parte da campanha de incentivo à testagem do HIV.

No spot 1, abaixo, um anjo anda pela rua assediando mulheres bonitas. Cavalheiro e sedutor, bloqueia a porta do elevador para uma bela mulher entrar. Quando a porta do elevador se abre novamente, as penas das asas de anjo voam e a mulher se arruma. Em seguida, o anjo, masculino, chega em casa, onde beija a mulher e os filhos. No momento do beijo, uma frase pergunta ao telespectador: “ainda acredita que os anjos não têm sexo? Faça o teste VIH/sida”.



No outro spot, também abaixo, o mesmo anjo chega a um teatro, onde um casal de idosos assiste a uma ópera. O anjo fala alguma coisa ao ouvido da senhora, que vai atrás do anjo. Quando volta, ela tira uma pena da boca. Novamente a pergunta: “ainda acredita que os anjos não têm sexo? Faça o teste VIH/sida”.



Em um dos comentários do You Tube alguém disse que não gostou do spot por causa da “mensagem machista associada ao assédio” (quando o anjo dá uma beliscada nas nádegas da primeira mulher por ele avistada e desejada). Mas os filmes são bons, na minha opinião, simplesmente porque dirigem a campanha de incentivo do teste exatamente a quem precisa: homens casados, mulheres jovens, solteiras, casadas e idosas. E diz, apenas com imagens, o que tenho falado há algum tempo: quem vê amor não vê AIDS.

5 comentários:

Valdir disse...

Olá Paulo gostei do seu blog, muito informativo! Gostaria de saber se você pudesse me ajudar. No mês de fevereiro eu tive uma relação de risco eu fiz sexo anal com um desconhecido e o preservativo estorou na hora do gozo e fiquei com o esperma dele. Sei que sofri uma grave situação de risco. De lá até julho eu não mantive mais relação com ninguém. Pois estou apavorado e agora tive coragem, de querer ir fazer mas gostaria de saber se 5 meses é suficiente para fazer o teste devido a janela imunológica, pois dizem que tem que esperar 6 meses a um ano para fazer o teste Elisa, senão pode dar falso negativo caso me contaminei. Você saberia me dar uma resposta? Desde já agradeço de coração se poder me ajudar. Um abraço!

Paulo Giacomini disse...

Olá Valdir, que bom que gostou do blog. O texto a seguir, tirei do link "janela imunológica", disponível no site do Programa Nacional de DST/AIDS do Ministério da Saúde:
"Janela imunológica é o termo que designa o intervalo entre a infecção pelo vírus da aids e a detecção de anticorpos anti-HIV no sangue através de exames laboratoriais específicos. Estes anticorpos são produzidas pelo sistema de defesa do organismo em resposta ao HIV, o que indica nos exames a confirmação da infecção pelo vírus. Para o HIV, o período da janela imunológica é normalmente de duas a doze semanas, mas em alguns casos pode ser mais prolongado.
Se um teste de detecção de HIV é feito durante o período da janela imunológica, há possibilidade de um resultado falso-negativo, caso a pessoa esteja infectada pelo vírus. Portanto, se o teste for feito no período da janela imunológica e o resultado for negativo, é necessário realizar um novo teste, dentro de três meses. Neste período ocorre a soroconversão, se a pessoa estiver realmente infectada, que é o reconhecimento do HIV pelo organismo.
É importante nesse período que a pessoa não passe por nenhuma situação de risco, pois se estiver realmente infectada, já poderá transmitir o vírus para outras pessoas."
Assim, 5 meses já são suficientes, pois a janela imunológica é de até 3 meses (12 semanas).
É importante lembrar que a camisinha só se rompe se estiver com validade vencida ou se o parceiro não souber colocá-la, deixando ar na ponta. Para tirar o ar é importante prender o bico do preservativo para que dois corpos (ar e esperma) não ocupem o mesmo espaço. Abração!

Valdir disse...

Obrigado Paulo,pela informação vou ainda semana que vem fazer o exame e seja lá o que Deus quiser! Um abraço e muita saúde para você!

Anônimo disse...

Olá Paulo,
Sou seropositivo desde 2002 tomo coqueteil desde 2003 Kaletra + Truvada, quando atingi 300 CD4 e CV superior a 200.000 copias. Neste momento CV indetectável e CD4 subiram acima de 600. Tenho problemas diversos, sou doente bipolar, problemas de coluna (hernias, osteoartrose, ciática), insuficiencia venosa pernas, (já fui operado varizes perna direita), estomago (já fui operado hernia hiato), colon irritavel agravado com HIV, problemas seborreicos devido a HIV1, colesterol, trigliceridos elevados, proteinas elevadas no sangue devido medicação HIV, problemas de rins, arritmia cardiaca, alergias, rinite alérgica, sinosite infecciosa (já operado uma vez, sem sucesso), etc.. já tentei outros coqueteis mas não me dei bem. Neste momento para todos os meus problemas tomo 25 comprimidos diários, estou de baixa, e vou requerer a pensão de invalidez, por estar mais tempo em consultas, tratamentos e de cama(necessito dormir ~12h e de tarde mais 2 ou 3), do que a trabalhar.
A minha duvida é a seguinte, existe alguma area da medicina que pode controlar e aconselhar sobre toda a medicação receitada pelas outras especialidades? Tenho algum receio de todas estas misturas de quimicos já à 7 anos, e alguns (bipolar e arritmia) desde à 15 anos. Tambem gostava de um esclarecimento, sou considerado um seropositivo ou uma pessoa com Sida, isto porque pode alterar a decisão no meu processo de invalidez, apesar de todos os problemas que me incapacitam diáriamente e deixam a minha qualidade de vida bastante debilitada.

Cumprimentos,

Carlos Silva

Paulo Giacomini disse...

Olá Carlos Silva, és uma força de vida!
Parece-me que não és do Brasil, por isso não sei como são classificados os casos de Sida em Portugal ou em África. Aqui tu serias pessoa com Sida, notificação necessária das pessoas em Tratamento Antirretroviral (TARV).
Não conheço uma área da medicina que disponha-se exclusivamente a tratar de interações medicamentosas.
Mas há diversos estudos e tabelas, como a publicada pela ABIA (http://www.abiaids.org.br/_img/media/Anexo%2002.pdf), e o Protocolo de Assistência Farmacêutica em DST/HIV/AIDS (http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_assistencia_farmaceutica_aids.pdf).
Espero que contribuam para teus esclarecimentos.