quarta-feira, 5 de setembro de 2012

LIVING 2012 apela a líderes mundiais pela proteção das PVHA

Dias antes da 19ª Conferência Internacional de AIDS começar em Washington, D.C., diversas outras pré-conferências foram realizadas. Uma delas foi o LIVING 2012, evento que reuniu pessoas vivendo com HIV/AIDS (PVHA) de 85 países. Ao final, as PVHA participantes apelaram aos líderes mundiais para aumentar o acesso ao tratamento de qualidade, proteger e promover os direitos das pessoas vivendo com HIV, envolvendo-as na expansão da resposta à epidemia.

Em LIVING 2012 as PVHA também apelaram à comunidade de pessoas que vivem com HIV para incluírem em seu ativismo e liderança a capacidade de efetivamente atender as necessidades de todas as pessoas vivendo com HIV/AIDS, especialmente jovens, mulheres e membros das populações-chave, como homens que fazem sexo com homens, profissionais do sexo e pessoas que usam drogas.

“LIVING 2012 foi uma oportunidade incrível para as pessoas que vivem com HIV discutirem as questões mais importantes para todos nós”, disse Kevin Moody, presidente da Rede Global de Pessoas Vivendo com HIV (GNP +). “Essas reuniões globais são essenciais para determinar o terreno comum entre as pessoas que vivem com HIV e para definir como a resposta ao HIV pode ser mais eficaz, eficiente e inclusiva”, refletiu.

Os debates centraram-se em três áreas de interesse para as PVHA: acesso ao tratamento, prevenção, cuidados e apoio; Direitos Humanos, e Desenvolvimento da Comunidade e Ativismo. Em torno desses temas, as PVHA pediram leis de proteção a ser implementadas, executadas e monitoradas por todas as nações. A proteção aos direitos humanos deve incluir a igualdade para as mulheres, os homens que fazem sexo com homens e as populações LGBT, pessoas profissionais do sexo e pessoas que usam drogas. Houve consenso de que o estigma e a discriminação, em particular a criminalização do HIV, violam a dignidade humana e impedem a resposta ao HIV em todos os níveis.

As PVHA participantes de LIVING 2012 relataram diferentes experiências relacionadas ao acesso ao tratamento, prevenção, cuidados e apoio. No entanto, houve uma forte concordância que o acesso ao tratamento de qualidade e prevenção deve estar disponível para todas as pessoas, inclusive de todas as populações mais vulneráveis. Este acesso só pode ser realizado de forma eficaz quando acontece sob a égide de Saúde Positiva, Dignidade e Prevenção.

Embora os efeitos preventivos do tratamento de qualidade sejam uma excelente oportunidade para se evitar novas infecções, não houve consenso sobre o tema devido às preocupações com a falta de evidência científica para a eficácia do tratamento precoce. Envolvidas ainda questões sobre possíveis violações aos direitos humanos, além da necessidade de concentrar, em primeiro lugar, o acesso ao tratamento com base nas necessidades médicas das pessoas que vivem com HIV.

Participantes LIVING2012 apresentaram essas mensagens para discussão em AIDS 2012 destacando as necessidades reais das PVHA durante os workshops e outras sessões. Além disso levaram de volta a suas comunidades esta experiência de aprendizagem combinadas a mensagens de advocacy.

LIVING 2012, 13ª Conferência Internacional de Pessoas que Vivem com HIV, foi organizado pela Rede Global de Pessoas Vivendo com HIV (GNP+). Sabia mais em www.living2012.org.

Participei de AIDS 2012 por indicação da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/AIDS (RNP+ Brasil) para compor a delegação oficial brasileira, com recursos do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

2 comentários:

Fran macfrazer disse...

Eu gosto de conferências médicas feitas no Brasil. Eu sou um especialista em densitometria ossea e sempre que há uma conferência eu tento ir.

Índice de Saúde disse...

Muito interessante, todo movimento em favor da da Saúde é muito bem vindo!!! Parabéns!